Dito Silva

Dito Silva

A Vale Verde FM marcou presença nos três dias do Dia de Campo 2019 da C.Vale no Campo Experimental em Palotina. Quem visitou o stand da emissora e preencheu cupons concorria a prêmios que foram sorteados na tarde de hoje (17), pelo comunicador Gilmar Bosquette.

Ganhadores:
Fabrício P. Trocatti de Brasilândia do Sul ganhou o presente da C.Vale

Cláudio Hachmann de São Camilo / Palotina ganhou o prêmio oferecido pelo Sicredi Vale do Piquiri

Maria Aparecida Vidoti de Silveirópolis / Assis Chateaubriand ganhou prêmio da Vale Verde FM

 

 

 

 

Representantes do setor cooperativista se reuniram na quarta-feira (16/01), em Brasília, com o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas para tratar de questões relacionadas ao transporte rodoviário de cargas. Dentre os assuntos abordados esteve a manutenção da boa interlocução com o Ministério e com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Também estiveram presentes na reunião o secretário executivo da pasta, Marcelo Sampaio, e representantes da ANTT e de empresas transportadoras. O superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, o diretor da OCB na região Sul, José Roberto Ricken (presidente do Sistema Ocepar) e o superintendente de Logística e Operações da Coamo, Airton Galinari, destacaram dentre outros aspectos a busca pelo equilíbrio dos interesses entre as cooperativas de transporte, que oferecem seus serviços, e as cooperativas agropecuárias, que os contratam.
Estudo técnico - Durante a audiência, os cooperativistas entregaram ao ministro um estudo técnico, encomendado pela OCB em 2018, ao Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial (ESALQ-LOG), institucionalmente ligado ao Departamento de Economia, Administração e Sociologia da ESALQ/USP. O documento apresenta uma proposta de consenso entre os interesses das cooperativas que contratam e daquelas que prestam os serviços de transporte rodoviário de cargas no país. O ministro, por sua vez, informou que o Governo Federal acaba de contratar a elaboração de um estudo similar, ao mesmo grupo, e que o documento apresentado pelos cooperativistas contribuirá bastante para encontrar uma solução à questão.
Era de diálogo - Tarcísio Freitas fez questão de ressaltar que o novo governo está disponível para dialogar e que as portas do Ministério estão abertas a todos aqueles que querem contribuir com o desenvolvimento do país. Sobre o cooperativismo, o ministro frisou que conta com as cooperativas e com o Sistema OCB como “sócios” na busca por soluções e nas tomadas de decisão. Segundo ele, é intenção do governo incentivar o modelo cooperativo no setor rodoviário. Para o ministro, a cooperativa garante muito mais força para negociar em nome de seus cooperados. “Acredito muito no cooperativismo e nos ganhos de escala que advém desse modelo de negócio”, argumenta. Com relação aos aplicativos de transporte de passageiros, Tarcísio Freitas acredita que eles podem ser coordenados por cooperativas e não, necessariamente, pelas empresas que, atualmente, operam no mercado.
Desafios - Dentre os desafios de sua gestão, Tarcísio enfatizou terem “planos audaciosos, porém possíveis”, dentre eles, promover transporte ferroviário e de cabotagem, segurança nas rodovias, aumentar a renda dos motoristas, desburocratizar normas e processos, reduzir custos e eliminar a insegurança jurídica para os transportadores. (Sistema OCB)

--

Ilivaldo Duarte de Campos 
Assessor Comunicação 
COAMO - Campo Mourão/PR

 

Aconteceu na manhã de quinta-feira, dia 17 de janeiro na sede da ACIAC, a entrega de prêmios da Promoção de Natal do comércio de Assis Chateaubriand. Foram contemplados 57 pessoas com bônus compras de R$ 150,00, R$ 300,00 e R$ 500,00 além do carro Ford Ka 0KM. O sorteio aconteceu em praça pública no último dia 29 de dezembro.
O ganhador do carro foi CELESTE SCOPARO que comprou no Supermercado Cirelli.
A próxima promoção é a do DIA DAS MÃES, que sorteará 1 moto biz e 10 bônus no valor de R$ 150,00, 15 de R$ 300,00 e 02 no valor de R$ 500,00.

O Sicredi começou o ano com uma boa notícia. A instituição financeira cooperativa ultrapassou os 4 milhões de associados neste mês. Eles estão distribuídos em 22 estados brasileiros e no Distrito Federal. Esta marca representa um crescimento de 37% da base de associados nos últimos cinco anos.
Um dos diferenciais do Sicredi é o modelo de gestão que valoriza a participação igualitária e colaborativa dos associados, ou seja, são eles que votam e decidem os rumos das 115 cooperativas de crédito filiadas ao Sicredi. “A instituição comemora quatro milhões de pessoas que, por meio do Sicredi, aderiram ao cooperativismo de crédito. É a nossa contribuição para o crescimento do segmento e reflexo do nosso empenho de ser simples, próximo e ativo em relação aos nossos associados”, declara João Tavares, presidente executivo do Sicredi.
As raízes do Sicredi estão no surgimento do cooperativismo de crédito no Brasil, em 1902, à época uma forma de organização coletiva de pequenos agricultores no Sul do País. Pioneiro neste segmento no País e referência nacional e internacional pela organização em Sistema, com padrão operacional e utilização de marca única, o Sicredi atua em 1.263 cidades, sendo que em 200 delas é a única instituição financeira presente.
“Nos últimos anos, o cooperativismo de crédito tem apresentando um crescimento importante no Brasil. Apesar disso, se compararmos com outros países onde o cooperativismo de crédito tem mais representatividade no sistema financeiro, como na Alemanha, França e Irlanda, por exemplo, temos muitas oportunidades para crescer ainda mais”, comenta Tavares.
A participação das cooperativas de crédito no Sistema Financeiro Nacional (SFN) tem registrado um constante incremento no País. Segundo o Panorama do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo 2017, divulgado pelo Banco Central (BC), o segmento passa por um processo de consolidação. Em dezembro de 2017, o estudo aponta um total de 9,6 milhões de associados no Brasil, crescimento de 8% em relação a dezembro de 2016, e a existência de 967 cooperativas de crédito singulares distribuídas pelo País, que contam hoje com 5.896 agências.
“Como uma das maiores instituições financeiras cooperativas brasileiras, acreditamos no potencial de crescimento do cooperativismo de crédito no Brasil e investimos na ampliação da atuação nacional, mediante a abertura de agências em grandes centros e expansão para estados das regiões Norte e Nordeste, no estado de Minas Gerais e no Distrito Federal. Além dessa expansão, mantemos a atuação em pequenos municípios e investimos continuamente em tecnologia, visando oferecer aos já associados produtos e serviços também em ambientes digitais, além de atrair novos associados”, afirma o presidente da SicrediPar, Manfred Alfonso Dasenbrock.
Nesse sentido, o Sicredi está contemplando um processo de modernização cujo objetivo é proporcionar uma vivência cada vez mais “Fisital”, uma troca de experiências do mundo físico para o digital e vice-versa. Ou seja, usar a tecnologia para ampliar o contato com as pessoas.

O cidadão que decidir adquirir um revólver ou pistola após a entrada em vigor das novas regras para a posse de armas desembolsará, no mínimo, cerca de R$ 3,7 mil para regularizar sua situação, cumprindo a todos os pré-requisitos exigidos por lei. O valor inclui a aquisição do armamento escolhido e a obtenção dos documentos necessários.

A Agência Brasil consultou a empresa brasileira Taurus sobre a sugestão de preço médio para a venda de armas de calibres permitidos (.38 / .380 / .22 / .36), mas como não obteve respostas até a publicação desta reportagem, consultou a sites de diferentes lojas que oferecem seus produtos na internet.

O revólver mais barato encontrado, um .38 de cinco tiros, custa a partir de R$ 3,1 mil. As mesmas lojas oferecem revólveres .22 a partir de R$ 4 mil. A pistola de mesmo calibre custa a partir de R$ 6 mil.

Um revólver .36 pode ser adquirido por R$ 4 mil e a pistola .380 a partir de R$ 5 mil. Conforme explicou, por telefone, o vendedor de um dos estabelecimentos, os preços são para a venda online, podendo variar na loja física.

Despesas
A aquisição de uma arma ainda envolve outros custos. É preciso, por exemplo, pagar R$ 88 para a Polícia Federal (PF) a fim de obter o registro necessário para manter o revólver em casa ou no local de trabalho. Com a publicação do Decreto nº 9.685, ontem (15), a validade do Certificado de Registro de Arma de Fogo aumentou de cinco anos para dez anos.

O decreto também estipula que, ao solicitar o registro, o interessado que vive ou trabalha em local com crianças, adolescentes ou pessoa com deficiência mental deve declarar possuir cofre ou local seguro com tranca para armazenar a arma.

O Estatuto do Desarmamento, de 2003, prevê pena de detenção de até dois anos, além de multa, a quem permitir que crianças, adolescentes ou pessoas com deficiência mental apanhem a arma.

Avaliação
O candidato que comprar um revólver ou pistola também precisa se submeter a uma avaliação psicológica que confirme que ele está apto a possuir uma arma em casa ou local de trabalho. Para ser aceito, o laudo deve ser emitido por um profissional devidamente habilitado e credenciado pela Polícia Federal (PF).

A relação de psicólogos credenciados em todo o país está disponível no site da PF. O custo da avaliação, no entanto, é referenciado pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP). A tabela de honorários ainda disponível no site do conselho sugere os preços mínimo (R$ 280,87) e máximo (R$ 655,36).

A legislação estabelece a obrigatoriedade de o candidato comprovar capacidade técnica para manusear uma arma de fogo. A relação de instrutores de armamento e tiro credenciados também está disponível no site da PF, que afirma que o valor cobrado pela aplicação do teste não pode exceder R$ 80.

No entanto, dois instrutores ouvidos pela Agência Brasil explicaram que, a este valor, devem ser acrescidos os custos com a munição gasta e, se necessário, despesas com o aluguel de uma arma e do estande de tiros. Somadas, todas estas despesas podem variar entre R$ 240 e R$ 300, dependendo da localidade.

Os demais documentos exigidos, como as certidões negativas de antecedentes criminais e de que o interessado não está respondendo a inquérito policial ou a processo criminal, podem ser obtidas pela internet, sem custos, nos sites da Justiça Federal, Estadual, Militar e Eleitoral.

 

Começam nessa sexta-feira (18) as inscrições para o processo de credenciamento para escolha dos 32 novos Chefes dos Núcleos Regionais de Educação do Paraná. O processo irá valorizar um conjunto de competências profissionais que vão desde a experiência de gestão até os resultados obtidos pelos professores enquanto ocuparam cargos de liderança. As inscrições para participar vão até o dia 3 de fevereiro.
De acordo com o secretário de estado da educação, Renato Feder, o processo pretende democratizar o acesso de servidores ao cargo de chefe de núcleo e garantir que profissionais qualificados ocupem as posições. O processo de credenciamento servirá como referência para que a gestão defina os profissionais que irão ocupar definitivamente as chefias dos 32 Núcleos Regionais de Educação. Além disso, possibilitará a criação de um banco de talentos para escolhas futuras do governo.
A escolha por um processo de credenciamento para referência atende à necessidade de maior transparência na seleção de pessoas para cargos de liderança. “O credenciamento técnico permitirá identificarmos bons profissionais para as chefias de núcleo. Queremos escolher os melhores líderes para melhorar a qualidade das nossas escolas e os índices de aprendizagem dos alunos”, explicou Feder. O secretário argumenta ainda que os estados que mais avançaram na educação implementaram processos semelhantes.
ETAPAS – O processo de credenciamento acontecerá em cinco etapas: análise de currículo; estudo de caso; teste online de raciocínio lógico e gestão; entrevista e apresentação de Plano de Gestão para uma banca multidisciplinar. A última etapa acontecerá em Curitiba; o transporte dos finalistas classificados será providenciado pela Secretaria.
PROGRAMA – O processo de credenciamento contará com apoio técnico do Programa de Apoio a Lideranças no Setor Público, programa realizado em cooperação pelo Governo do Estado do Paraná e a Aliança, formada pelas organizações do terceiro setor Fundação Lemann, Instituto Humanize, Instituto República e Fundação Brava.
O Programa de Apoio a Lideranças no Setor Público incentiva o Estado a atrair, selecionar e desenvolver as pessoas mais preparadas para os cargos de liderança do Governo.

 

Na manhã de hoje (17), a Vale Verde FM teve o prazer de receber a visita da equipe da Faculdade Univel de Cascavel.  Lenon Marcos de Souza/gerente de expansão EAD e Aline Garrido da área de vendas foram recepcionados pela diretora professora Helena Miura da Costa e pelo comunicador Dito Silva.  Eles estão divulgando a parceria com a Faculdade Unimeo que oferece oito importantes cursos EAD para Assis Chateaubriand e região.
Os cursos são Administração, Ciências Contábeis, Gestão Comercial, Gestão Financeira, Logística, Pedagogia, Processos Gerenciais e Recursos Humanos com mensalidades a preços especiais.

São cursos autorizados pelo MEC com flexibilidade de horário.

Inscrições abertas com a primeira mensalidade custando R$75,00 com desconto relativo a idade do aluno durante toda a graduação.

Informações: 44 3528-2337, univel.br, O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou com Aline Garrido no 45 99949-0631.

O governador Ratinho Junior anunciou, nesta quarta-feira (16), na sede do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR), reduções nos valores que seriam cobrados por serviços de vistoria veicular e do registro eletrônico de contratos de financiamento de veículos. A determinação do governador suspende dois editais (003/2018 e 005/2018) e duas portarias (070/2018-DG e 073/2018-DG). Os documentos, publicados em 2018, passariam a valer neste ano.
“Estamos fazendo com que o Detran pratique preços justos para a população. Não justifica um cidadão que compra uma moto de R$ 3,5 mil pagar 10% do preço do veículo em uma taxa”, disse Ratinho Junior, referindo-se ao gravame de um financiamento.
Para o serviço de vistoria veicular, o Detran-PR vai manter a taxa praticada atualmente, de R$ 49,56. “Estamos puxando para baixo essa cobrança, até para que o Detran preste um bom serviço, com um preço justo e sem explorar a população”, salientou. Com a manutenção das portarias e editais, os preços passariam a até R$ 100 para motocicletas, R$ 120 para veículos leves e R$ 140 para veículos pesados.
Além disso, a transferência do processo de vistoria para as empresas, conforme estava programado, criava uma barreira adicional na regularização dos veículos. O Paraná possui 1.106 postos de atendimento de vistoria veicular: 100 Ciretrans (Circunscrições Regionais de Trânsito), oito Postos Avançados, 128 Postos de Atendimento conveniados e 870 despachantes concursados. Em 2018, foram efetuadas 1.769.692 vistorias veiculares.
A operação do Registro Eletrônico de Contratos de Financiamento de Veículos com cláusula de alienação fiduciária, arrendamento mercantil e reserva de domínio ou penhor foi terceirizada pelo Detran em função da Resolução nº 689/2017 do Contran (Conselho Nacional de Trânsito).
Por determinação do governador, o custo atual, que seria de R$ 350, passará para aproximadamente R$ 150, e um novo credenciamento para a prestação do serviços está sendo preparado em caráter de urgência.
De acordo com o diretor-geral do Detran, coronel Cesar Kogut, a questão do credenciamento, que atende a uma determinação do Tribunal de Contas do Estado, deve ser resolvida até o final do mês.

Emplacamento padrão Mercosul agilizado
O Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) publicou, ontem, uma portaria que cria um sistema logístico mais eficiente para atender a demanda de emplacamento das placas do Mercosul em veículos registrados no Paraná. A nova determinação autoriza o estampador a vincular a placa nos veículos em pátios de empresas, concessionárias e revendedores ou fabricantes e montadoras de veículos, após o devido registro e licenciamento.
O governador Carlos Massa Ratinho Junior, que esteve na sede do órgão para anunciar redução nos valores de algumas taxas do Detran, afirmou que a medida diminui a burocracia do emplacamento.
“Ela vai dar oportunidade para que o despachante vá até o local onde a pessoa compra o seu carro. Até então, o cidadão tinha que se deslocar para fazer esse emplacamento”, explicou. “Agora haverá uma flexibilização deste processo”, disse.
O novo sistema de placa de identificação no padrão Mercosul é uma determinação do Governo Federal e já foi adotado no Paraná. As fabricantes e estampadoras de placas precisam se credenciar junto ao Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e fazerem um recadastramento no Detran-PR para serem autorizadas a fabricar e estampar as placas. Até então, as fabricantes só precisavam ser cadastradas no Detran-PR.

Os municípios da região do Vale do Ribeira, no sul do estado de São Paulo e leste do Paraná, estão reforçando as ações de vacinação devido às suspeitas de ocorrência de febre amarela. Ao menos um caso foi confirmado em Cidade de Eldorado (SP), segundo a prefeitura do município. A mulher de 34 anos foi encaminhada para o hospital de Pariquera–Açu (SP), onde permanece internada.

Em Iporanga (SP), a Vigilância Sanitária municipal informou que está realizando a imunização casa a casa em alguns bairros mais expostos. Segundo o órgão, foram encontrados macacos mortos em várias regiões do município. Porém, não foi confirmado que a infecção pela febre amarela matou os animais.

A situação é parecida em Eldorado (SP). Foram encontrados macacos mortos em diversas partes do município, mas também não foi confirmado que a doença tenha sido a causa das mortes. A morte de um homem de 60 anos está sob investigação do Instituto Adolfo Lutz, na capital paulista. Outros cinco casos suspeitos também estão sendo atendidos o Hospital Regional de Pariquera–Açu. A prefeitura tem solicitado aos moradores da cidade que se vacinem para evitar a contaminação.

O Vale da Ribeira abrange 31 municípios, sendo nove paranaenses e 22 paulistas, e uma população de cerca de 481 mil habitantes. A região abriga cerca de 61% da mata atlântica remanescente no Brasil, além de áreas de restinga e manguezais.

Sesa vai fazer busca ativa para vacinar

O aumento dos casos de febre amarela em municípios do Vale do Ribeira, na divisa com o Estado de São Paulo, colocou o Paraná em alerta. A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) convoca a população que tem entre nove meses e 59 anos para tomar a vacina, disponível em todas as unidades de saúde.

O setor de Vigilância em Saúde também decidiu intensificar a oferta da vacina e a busca ativa de possíveis interessados em comunidades rurais mais afastadas das sedes dos municípios, especialmente os que ficam próximos da divisa com São Paulo. Representantes dos 29 municípios que compõem a 2ª Regional de Saúde, que inclui Curitiba, participaram de reunião ontem, na Capital, para receber orientações.

No Paraná, até o momento, não há circulação do vírus. Desde julho do ano passado, houve 17 notificações. Dessas, 15 já foram descartadas e duas continuam sob investigação.

Na tarde desta quarta-feira (16), vários populares se reuniram na Rua Maranhão, em frente a residência onde aconteceu um feminicídio contra Tatiane Laurindo da Silva de 31 anos. O crime aconteceu no último sábado (12), sendo que a jovem foi encontrada toda machucada, com marcas de sangue pela casa, o que chamou a atenção dos policiais, não foram encontrados vestígios de arrombamento nas janelas, nem nas portas. O corpo deu entrada no Instituto Médico Legal de Toledo, sendo que a causa da morte seria agressão física. Por conta deste bárbaro crime, as pessoas se reuniram, onde prestaram uma homenagem a Tatiane e ao mesmo tempo, pedindo justiça para elucidação do crime, bem como contra feminicídio na cidade. Vários cartazes e flores foram levadas para o local, demonstrando assim, preocupação e exigindo respostas das autoridades. Segundo a Polícia Civil, o crime ainda é um mistério. A delegada Amanda Macedo é a responsável pela investigação. O que foi apurado é que o crime é um mistério, sendo que 15 pessoas já foram ouvidas, mas, nenhum suspeito foi apontado oficialmente. A vítima havia registrado em julho de 2018, um boletim de ocorrência conta o ex-companheiro, sendo que no boletim, relatava que o mesmo invadiu a casa, agrediu e a ameaçou. Ela estava separada a cerca de três anos, tinha um filho de seis anos, sendo que este não estava no dia do fato na residência. Agora é uma questão de tempo, mas, informações que possa ajudar a polícia, podem ser feitas pelo 190, 197 e 181.

Fonte: Leo Silva

 

Pagina 1 de 302