Dito Silva

Dito Silva

A AMP (Associação dos Municípios do Paraná) elegeu e empossou sua nova Diretoria na manhã desta terça-feira (dia 23), no Plenarinho da Assembleia Legislativa, em Curitiba. Com a presença do governador em exercício do Paraná, Darci Piana, o prefeito de Pérola, Darlan Scalco, assumiu o comando da organização no lugar do prefeito de Coronel Vivida, Frank Ariel Schiavini. Scalco e os outros 74 novos diretores da AMP assumem seus cargos para um mandato de dois anos.

O novo presidente da AMP iniciou seu discurso fazendo um agradecimento especial a todos os prefeitos e autoridades pelas suas presenças e destacou a unidade proporcionada pela posse da nova diretoria. Parabenizou Schiavini pelo trabalho e disse que, no seu mandato, vai manter canal de diálogo permanente com todos os gestores municipais do Paraná, em benefício das 399 prefeituras do Estado. “Quero ouvir muito os prefeitos do Estado e ficar atento aos problemas das prefeituras porque é lá que a população vive e onde as coisas acontecem”, afirmou.

Scalco disse ainda que pretende manter uma relação de profundo respeito em relação aos demais Entes Federados e aos Poderes, mas afirmou que não deixará de fazer reivindicações em benefício dos municípios. “Seremos republicanos com todos, mas jamais vamos baixar a guarda, na defesa das prefeituras do Paraná”, disse o novo presidente da AMP, na presença de mais de 200 lideranças políticas e empresariais que participaram da solenidade.

Schiavini destaca unidade

O ex-presidente da AMP, Frank Schiavini, também fez um agradecimento aos prefeitos pelo apoio, destacou os avanços conquistados no seu mandato e o fortalecimento das prefeituras proporcionado pela sua gestão. “Na nossa gestão, unimos mais os prefeitos em torno do espírito municipalista. Tivemos um grande diálogo com os Governos Federal e Estadual, Congresso Nacional e Assembleia Legislativa, bem como com o TCE/PR (Tribunal de Contas) e o MPE/PR (Ministério Público do Paraná)”, disse.

Schiavini afirmou que, se o municipalismo não prosseguir lutando, em pouco tempo não haverá mais pessoas de bem interessadas em ser prefeitos ou prefeitas. “Eu deixo a AMP de cabeça erguida. Durante o tempo em que fui presidente, fiz o melhor pelos municípios do Paraná”, afirmou o ex-presidente, que entregou ofício ao governador em exercício, Darci Piana, pedindo a revisão do reajuste das tarifas de água.

Piana e Micheletto

O governador em exercício do Paraná, Darci Piana - que representou o governador Carlos Massa Ratinho Júnior, em viagem à China - parabenizou Schiavini pelo trabalho, desejou sucesso a Darlan e colocou o governo à disposição da nova Diretoria da AMP. “O Governo do Estado está fazendo o possível para economizar recursos para investir mais nas prefeituras. Estaremos sempre abertos ao diálogo e faremos o possível para ajudar os municípios”, afirmou.

O deputado estadual Marcel Micheletto participou da solenidade representando o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ademar Traiano. Ex-presidente da AMP por dois mandatos e ex-diretor da CNM (Confederação Nacional de Municípios), Micheletto destacou o empenho dos Governos Federal e Estadual em defesa das prefeituras e defendeu as reformas, mas disse que os desafios do movimento municipalista, em defesa do pacto federativo, são muitos. “Sem as reformas, os municípios vão entrar em colapso”, comentou.

Presenças

O presidente de honra da CNM, Paulo Ziulkoski, participou da solenidade representando o presidente da organização, Glademir Aroldi. Lembrou que o Paraná tem papel de destaque no movimento municipalista e convocou os prefeitos a se unirem na luta pelas cidades. “Os desafios das prefeituras são muitos. Por isso, a união dos prefeitos é fundamental”, disse ele, ao lado de outro diretor da CNM, Joarez Henrichs, que também foi presidente da AMP.

Participaram da posse, ainda, os ex-governadores Orlando Pessuti e Emilia Belinati, os secretários estaduais da Casa Civil, Guto Silva, do Planejamento, Valdemar Jorge, e Márcio Nunes, do Desenvolvimento Sustentável; o deputado federal Sérgio Souza; e os deputados estaduais Alexandre Curi (PSB), Nelson Luersen (PDT), Michele Caputo (PSDB), Arilson Chiorato (PT), Emergon Bacil (PSL), Paulo Litro (PSDB), Hussein Bakri (PSD), Jonas Guimarães (PSB), Vilmar Reichembach (PSC), Do Carmo (PSL), Soldado Adriano (PV), Elio Rusch (DEM) e Luiz Claudio Romanelli (PSB), entre outras autoridades.

Crédito da foto: Orlando Kissner

Assessoria de Comunicação da AMP

AURÉLIO MUNHOZ

A Secretaria da Saúde do Paraná lançou nesta terça-feira (23) uma campanha digital com orientações sobre medidas preventivas para o combate à dengue. O mote é Faça a sua parte na luta contra a dengue. O material será veiculado nas mídias sociais da Secretaria e Regionais de Saúde e disponibilizado para todos os municípios. São 21 posts que alertam sobre a importância do envolvimento de todos na luta contra a dengue.

O boletim epidemiológico semanal com os números da dengue no Paraná apresenta 4.191 casos confirmados. São 1.077 casos a mais que na semana anterior, que apresentou 3.114 casos confirmados de dengue.

“Importante frisar que em todo Paraná o combate ao mosquito Aedes aegypti continua”, disse o secretário da Saúde, Beto Preto. “Tivemos mais uma semana com aumento de casos e de casos mais graves em alguns municípios. Por isso, reafirmamos em nome do Governo do Estado o pedido para que a população participe deste combate adotando medidas simples, como manter os quintais limpos, sem lixo e sem depósitos de água parada, que são os principais locais de criação de novos focos do mosquito transmissor da doença”, afirmou o secretário.

MUNICÍPIOS - São 170 municípios com casos confirmados de dengue e 22 registram situação de epidemia. Os que registram maiores índices de infestação são Japurá, Francisco Alves, Lupionópolis, Porto Rico, Uraí, Itambé, Leópolis, Santa Mariana, Alvorada do Sul e Loanda. Em alerta para epidemia são 18 municípios, entre eles Paranacity, Cruzeiro do Sul, Primeiro de Maio, Bandeirantes, Cianorte e Icaraíma. A forma grave da doença foi registrada em Londrina, Foz do Iguaçu, Cascavel, Sarandi, Maringá e Sertanópolis.

CLIMA - As 19 estações meteorológicas do Estado analisam que as condições climáticas seguem favoráveis à reprodução e desenvolvimento de focos e dispersão do mosquito Aedes aegypti. “É preciso que a população fique atenta às medidas preventivas de combate ao mosquito. A responsabilidade de acabar com os criadouros e focos do transmissor da dengue, chikungunya e zika é de todos”, afirmou Ivana Belmonte, da Divisão de Vigilância Ambiental da Secretaria da Saúde.

Terça, 23 Abril 2019 16:26

Vale Verde FM premia mais ouvintes

Na manhã de hoje (23), foram entregues mais dois prêmios sorteados na programação da Vale Verde FM. Os ganhadores são de Toledo e ganharam ovo de chocolate 614 gramas Lacta da Habitabem Brasil. Elizabete Maria Geraldo de Souza participou da promoção Habitabem Brasil/Vale Verde FM 30 anos e Divonzir Cardoso/Zico, foi sorteado na transmissão de Athletico x Toledo, na final do Paranaense.

Parabéns!

Agradecemos a Habitabem Brasil pela parceria.

 

 

 

Ovos de Páscoa, barras de chocolates e outros doces arrecadados pelos Comitês Mulher e Jovem da Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, foram doados a crianças e famílias carentes dos municípios de Palotina, Assis Chateaubriand e Maripá, nesta última semana.

Os voluntários se mobilizaram para a coleta, montaram kits e cestas de doces e, com o apoio da comunidade que contribuiu com as doações, foi possível proporcionar uma Páscoa mais doce e feliz para mais de 1000 crianças e famílias carentes cadastradas nos programas assistenciais dos municípios. Entidades e associações beneficentes (Pastoral da Criança; ADAV – Assis; CARTA – Palotina; ADEFIPAL – Palotina) também receberam doações.

Além das agências do Sicredi, vários comércios também foram pontos de arrecadação e ajudaram a tornar a ação ainda mais especial. Os Comitês Mulher e Jovem do Sicredi agradecem a generosidade e apoio de todos que contribuíram a realização deste movimento.

O prazo para entregar a declaração do Imposto de Renda 2019 termina na próxima terça-feira (30) mas, até as 11h desta terça, quase 13 milhões de contribuintes ainda não haviam enviado o documento à Receita Federal. O órgão, que espera 30,5 milhões de declarações este ano, recebeu até o momento 17.535.879 delas.
A multa para o contribuinte que não fizer a declaração ou entregá-la fora do prazo será de, no mínimo, R$ 165,74. O valor máximo corresponde a 20% do imposto devido.
As restituições começarão a ser pagas em junho e seguem até dezembro para os contribuintes cujas declarações não caíram na malha fina. Os valores são corrigidos pela variação dos juros básicos da economia (taxa Selic), atualmente em 6,5% ao ano.
Como declarar
Para acertar as contas com o leão, o contribuinte deve baixar o programa gerador do IR. Também pode declarar por meio de "tablets" ou "smartphones". Nesse caso, deve buscar os aplicativos nas lojas virtuais. A entrega pode ser feita, ainda, na página do próprio Fisco, no formato "online" - com certificado digital.
O contribuinte pode importar dados de 2018 para facilitar a declaração, o que deve ser feito logo no início do preenchimento. No caso de a última declaração ter sido retificada, é preciso substituir pelo número do recibo da última retificadora online.
O Receitanet (programa para o envio da declaração) foi incorporado ao programa do IR 2019, não sendo necessária sua instalação em separado. A Receita informa, porém, que o serviço de recepção de declarações não funciona no período entre 1h e 5h da manhã (horário de Brasília).
Quem é obrigado
• Quem recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018. O valor é o mesmo da declaração do IR do ano passado.
• Contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado;
• Quem obteve, em qualquer mês de 2018, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
• Quem teve, em 2018, receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural;
• Quem tinha, até 31 de dezembro de 2018, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil;
• Quem passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês do ano passado e nessa condição encontrava-se em 31 de dezembro de 2018;
• Quem optou pela isenção do imposto incidente em valor obtido na venda de imóveis residenciais cujo produto da venda seja aplicado na aquisição de imóveis residenciais localizados no país, no prazo de 180 dias, contado da celebração do contrato de venda;
• Quem optar pela declaração simplificada abre mão de todas as deduções admitidas na legislação tributária, como aquelas por gastos com educação e saúde, mas tem direito a uma dedução de 20% do valor dos rendimentos tributáveis, limitada a R$ 16.754,34, mesmo valor do ano passado.

O professor e ex-vereador Sérgio Vesco, 50 anos, foi esfaqueado por volta das 15h de hoje (23), na Escola Estadual Antonio Franco de Formosa do Oeste.  O autor é um aluno de 15 anos que teria se desentendido com o professor minutos antes. Na seqüência o aluno pegou um punhal que estava em sua bolsa e atingiu o professor na perna direita. Logo depois o adolescente saiu do local, mas foi apreendido pelos policiais militares. No momento da apreensão ele não estava de posse arma usada na agressão. Outra informação é que os desentendimentos entre os envolvidos acontecem há muito tempo.  O professor foi socorrido e levado ao Pronto Socorro e depois transferido para Cascavel para exames mais detalhados.  A ocorrência foi atendida pela Polícia Militar.  Agora a investigação fica sob a responsabilidade da Polícia Civil.

 

Em cada oito de dez municípios paranaenses, os cidadãos, ao consumirem água, acabam ingerindo um verdadeiro coquetel de agrotóxicos. É o que revela uma investigação feita com base em dados do Ministério da Saúde, os quais apontam que em 326 das 399 cidades do Paraná (81,7% do total) foi testado positivo, entre 2014 e 2017, a presença de 27 pesticidas que as empresas de abastecimento são obrigadas a testar. Entre esses municípios, inclusive, aparece Curitiba.
A investigação, feita em conjunto por Repórter Brasil, Agência Pública e Public Eye, teve como base os dados do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua). E os paranaenses aparecem no levantamento como os segundos que mais beberam esse coquetel nos últimos anos, atrás apenas de São Paulo — em 504 municípios paulistas (78,1% de todas as cidades) foi identificada a presença de todos os 27 agrotóxicos.
Mais alarmante ainda: nos últimos anos, a contaminação da água cresce considerável e consistentemente. Em 2014, 75% dos testes em municípios brasileiros dectectaram a presença de agrotóxicos na água. No ano seguinte já chegou a 84% e, em 2016, a 88%. Já em 2017, último ano considerado na investigação, o percentual havia alcançado 92%, o que indica, dizem os investigadores, a possibilidade de ser difícil, dentro de alguns anos, encontrar água não contaminada nas torneiras do país.
Questionado, o Ministério da Saúde explicou que a exposição aos agrotóxicos pode ter efeitos nocivos, tais como “puberdade precoce, aleitamento alterado, diminuição da fertilidade feminina e na qualidade do sêmen; além de alergias, distúrbios gastrintestinais, respiratórios, endócrinos, neurológicos e neoplasias”.
Mas se a gravidade do problema é reconhecida, as ações de controle ainda são precárias, uma vez que medidas só são tomadas quando o resultado do teste ultrapassa o máximo permitido em lei. E no Brasil não há um limite legal fixado para regular a mistura de substâncias, mas apenas a presença de elementos de forma isolada, individualizada.
Dessa forma, enquanto a União Europeia, por exemplo, permite no máximo 0,5 microgramas de agrotóxicos em cada litro de água, no Brasil o valor pode chegar a 1.353 microgramas por litro e o valor ainda pode ser considerado dentro dos limites legais, mesmo equivalente a 2.706 vezes o limite europeu.
Sanepar contesta dados e pede explicações ao Ministério
Procupara pelo Bem Paraná, a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), responsável por garantir a qualidade da água distribuída à população em 345 municípios paranaenses, afirmou por meio de nota que segue rigorosamente a legislação brasileira, informando ainda não ter detectado a presença de agrotóxicos acima do Valor Máximo Permitido (VMP) pelo Ministério da Saúde em nenhuma análise.
Ainda segundo a Sanepar, as matérias que utilizam informações do Sisagua estão incompletas. “No momento de registrar os resultados de suas análises, não há no cadastro do Sisagua a opção de informar a não detecção do princípio ativo do composto. O Sistema de Informação aceita apenas o registro como “no limite” em vez de “ausente”. Desta forma, fica registrada a presença de agrotóxico na água, mesmo que não tenha sido detectada, distorcendo a informação”, argumenta a companhia.
A empresa de economia mista também informou que está pedindo esclarecimentos ao Ministério da Saúde sobre os valores disponibilizados com relação à presença de agrotóxicos na água usada para consumo humano, para “não ocorrer interpretação equivocada como ocorreu no material divulgado”, em referência à investigação conjunta da Repórter Brasil, Agência Pública e Public Eye.
Paraná é campeão de intoxicações por agrotóxico agrícola
Segundo informações do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan Net), do Ministério da Saúde, o Paraná é a unidade da federação com maior número de internações hospitalares decorrente de intoxicação por agrotóxico agrícola. Entre 2007 e 2017 (último ano com dados disponíveis), foram registradas 6.861 ocorrências no Paraná, ao passo que o segundo estado com mais registros é São Paulo, com 5.711. Em todo o país, foram 41.612 internações no período analisado.
A situação, aliado às revelações feita pela investigação conjunta sobre agrotóxicos na água, levou o deputado estadual Goura (PDT) a protestar durante a sessão de ontem na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). “Os níveis (da presença de agrotóxicos em Curitiba) não ultrapassaram os limites do Ministério da Saúde, mas essa exposição preocupa, sim. Porque o Brasil tem níveis até 5 mil vezes maiores do que Europa ou Estados Unidos? Será que o brasileiro tolera mais veneno do que os europeus?”, questionou o parlamentar,
Goura ainda apresentou requerimento à Secretaria da Saúde e do Meio Ambiente e à Secretaria da Agricultura “para que possamos trabalhar com menos defensivos agrícolas, menos agrotóxicos”. A proposta foi também assinada pelo deputado Michele Caputo Neto, que é farmacêutico e foi secretário de saúde do Paraná entre 2011 e 2018. “Eu assino esses requerimentos todos porque é necessário aprofundar tudo isso que foi dito. Uma coisa é identificar isso (agrotóxicos e outros resíduos) na água, e outra é na água que vai direto para o consumo”, alegou.

Rodolfo Luis Kowalski

O Ministério da Infraestrutura divulgou uma nota nesta segunda-feira (22) na qual anunciou compromisso com os caminhoneiros de repassar o custo do diesel para a tabela de fretes.
A nota foi divulgada após o ministro Tarcísio Gomes de Freitas se reunir com integrantes da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) e de outras entidades, além de caminhoneiros autônomos.
"Após ouvir as reivindicações, foram firmados os seguintes compromissos: estudar a eliminação de multas desnecessárias aos caminhoneiros; transferência do custo do diesel para a tabela do frete; a fiscalização efetiva da referência de custo do piso mínimo do frete; a celebração de um termo de compromisso com as entidades representantes da categoria para tornar mais efetiva a fiscalização", informou a pasta.
A tabela de fretes foi criada no ano passado pelo governo Michel Temer, após a greve dos caminhoneiros que bloqueou estradas e comprometeu o abastecimento de combustível, de medicamentos e de alimentos em todo o Brasil. A criação era uma das reivindicações da categoria.
O mecanismo, no entanto, foi alvo de críticas até mesmo dentro do governo. Na ocasião, o então ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou que a tabela prejudica o agronegócio. A tabela também foi alvo de contestações da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) na Justiça.
Reajuste do diesel
No último dia 11, a Petrobras anunciou reajuste de 5,74% no preço do óleo diesel. No mesmo dia, o presidente Jair Bolsonaro mandou a empresa suspender o reajuste até que ele tivesse uma reunião com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e com os ministros da equipe econômica.
A reunião aconteceu no dia 16. Após o encontro, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmaram que o valor do reajuste e o momento do anúncio cabem à Petrobras.
No dia 17, a empresa anunciou aumento de R$ 0,10 por litro no diesel.
'Agenda de trabalho'
Pouco antes de o ministério divulgar a nota, nesta segunda-feira, Tarcísio Freitas informou em uma rede social ter construído uma "agenda de trabalho" com os caminhoneiros para eliminar multas "injustas" e fiscalizar o cumprimento da tabela de fretes.
"Recebi hoje representantes dos caminhoneiros e Integrantes da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) para dialogar sobre as demandas da categoria. Estamos trabalhando em soluções efetivas. As portas estão sempre abertas e manter o diálogo é nossa prioridade", afirmou o ministro.
"Construímos em conjunto agenda de trabalho que envolve eliminação de multas injustas, transferência do custo do diesel para tabela de frete, fiscalização dessa referência de custo e termo de compromisso com entidades representantes para tornar a fiscalização mais efetiva", acrescentou.
Segundo Wanderlei Dedeco, um dos caminhoneiros autônomos que participaram da reunião, a categoria denunciará nos sindicados as empresas que não cumprirem a tabela e repassarão as denúncias ao Ministério da Infraestrutura e à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).
O presidente da CNTA, Diumar Bueno, afirmou que o acordo do governo com a categoria prevê reajuste na tabela de frete a partir de "agora". "Esse é um dos compromissos do governo hoje, do ministro conosco, é fazer um reajuste no preço mínimo do frete para corrigir esses aumentos do diesel que tivemos", disse.
Íntegra
Leia a íntegra da nota do ministério:
Ministério da Infraestrutura constrói agenda de trabalho com caminhoneiros
Após 4 horas de reunião com integrantes da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) e cerca de 20 lideranças dos caminhoneiros, o Ministério da Infraestrutura firmou com a categoria uma agenda de trabalho a curto prazo. O objetivo é amortecer o efeito da variação do preço do diesel para a categoria e estabelecer o compromisso de manter aberto o diálogo com as lideranças.
Após ouvir as reivindicações, foram firmados os seguintes compromissos:
• Estudar a eliminação de multas desnecessárias aos caminhoneiros;
• Transferência do custo do diesel para a tabela do frete;
• A fiscalização efetiva da referência de custo do piso mínimo do frete;
• A celebração de um termo de compromisso com as entidades representantes da categoria para tornar mais efetiva a fiscalização.
De acordo com o ministro Tarcísio Gomes de Freitas, “a construção dessa agenda vai amortecer o efeito do diesel, vai fazer com que o dinheiro sobre na contratação de cada frete e vai fazer com que a referência de preço seja praticada”, disse. “Estamos com uma agenda sólida, que está sendo construída com base numa conversa e nos pleitos dos caminhoneiros”, finalizou Freitas.

A AMP (Associação dos Municípios do Paraná) promove eleição e posse da sua nova Diretoria - Conselho Diretor, Conselho Fiscal e os Comitês Permanentes - para o Biênio 2019-2020, em cumprimento ao disposto no artigo 14, § 1º do Estatuto da AMP. Será no Plenarinho da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira, dia 23 de abril, às 9h.
O presidente da AMP e prefeito de Coronel Vivida, Frank Ariel Schiavini, encerrará seu mandato. No seu lugar, assumirá o prefeito de Pérola e ex-presidente da Amerios (Associação dos Municípios de Entre Rios), Darlan Scalco.

O prefeito Júnior Weiller de Jesuítas é um dos vices da chapa do prefeito Darlan e já colocou seu nome para disputar a presidência na próxima eleição

COM INFORMAÇÕES:

Assessoria de Comunicação da AMP
AURÉLIO MUNHOZ

Acaba no dia 30 deste mês de abril o período de entrega da Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física 2019 e muitos contribuintes já estão em pânico, pois ainda não entregaram esse documento à Receita Federal. Assim, já são aguardadas possíveis dificuldades para os contribuintes nesses últimos dias de entrega, como falta de documentação e congestionamento no sistema para quem deixar a entrega para a última hora.

Para evitar esses problemas é preciso correr. "Estamos trabalhando nos fins de semanas de plantão e solicitando para nossos clientes a entrega da documentação necessária para a elaboração do documento o mais rápido possível, evitando qualquer imprevisto", alerta o diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos.

"Se deixar para o dia 30, poderá encontrar problemas como falta de documentos ou dados inconsistente e, caso não consiga entregar a declaração, terá que pagar a multa por atraso, que tem o valor mínimo de R$ 165,74, e máximo de 20% sobre o imposto devido, mais juros de mora de 1% ao mês", complementa.

Segundo o diretor executivo da Confirp, os trabalhos se intensificam neste período e o maior problema é a falta de organização dos contribuintes. "Na Confirp temos observado que muitos contribuintes ainda estão nos procurando para que façamos o serviço, principalmente por encontrarem dificuldades na elaboração ou em encontrar alguns documentos, assim, acredito que até o fim do prazo teremos trabalho".

Para os contribuintes não consigam todos os documentos necessários, Domingos sugere que uma alternativa é a entrega do material incompleto e depois a realização de uma declaração retificadora. "Diferente do que muitos pensam, a entrega desta forma não significa que a declaração irá automaticamente para a Malha Fina, porém, depois da entrega deverão fazer o material com muito mais cuidado, pois, as chances serão maiores".

"A declaração retificadora também é válida em caso de problemas na declaração já entregue pelo contribuinte, nela os erros serão corrigidos. O prazo para retificar a declaração é de cinco anos, mas é importante que o contribuinte realize o processo rapidamente, para não correr o risco de ficar na Malha Fina".

Um dos cuidados que deve ser tomado é entregar a declaração retificadora no mesmo modelo (completo ou simplificado) utilizado para a declaração original. É fundamental que o contribuinte possua o número do recibo de entrega da declaração anterior, para a realização do processo.

Segundo Domingos, o procedimento para a realização de uma declaração retificadora é o mesmo que para uma declaração comum, a diferença é que no campo Identificação do Contribuinte, deve ser informado que a declaração é retificadora.

--

FONTE: 

DSOP Educação Financeira

Pagina 1 de 384