Gilmar Bosquette

Gilmar Bosquette

Numa iniciativa pioneira a Cooperativa de Crédito Sicoob Médio Oeste de Assis Chateaubriand inaugurou na noite de hoje (18), uma agência que atenderá especialmente o setor agro. A nova estrutura terá horário diferenciado para atender os produtores rurais das 8h às 17h a partir de segunda-feira (22).

A inauguração foi prestigiada por várias autoridades entre elas Jefferson Nogaroli presidente da Central Sicoob de Maringá. Ele elogiou a iniciativa inédita e afirmou que a ideia é tão boa que levará para outras regiões de atuação do Sicoob. 

Edson de Oliveira Pereira/presidente do Conselho de Administração do Sicoob Médio Oeste elogiou o trabalho de toda equipe, agradeceu o apoio dos conselheiros e enalteceu o respaldo da sociedade de forma geral que foi fundamental para concretização do projeto. 

A agência está localizada na Avenida Dom Pedro II, 360, ao lado da Redave.

Quarta, 17 Janeiro 2018 09:34

Cantora Ana Apoloni visita a Vale Verde

No último dia 15 a cantora Ana Apoloni esteve visitando o estúdio 1 da Vale Verde FM em Jesuítas. Ana está divulgando sua música de trabalho "QUEM NUNCA".  Desejamos a ela todo sucesso.

O Campeonato Paranaense de 2018 tem início nesta quarta-feira, 17, com a partida entre CE União e Paraná Clube, que abre a briga pelo título estadual. Com nova fórmula, o Campeonato Paranaense será disputado em duas taças: a Taça Dionísio Filho, que será dada ao campeão do primeiro turno, e a Taça Caio Júnior, que será entregue ao campeão do segundo turno. 

A escolha dos nomes aconteceu no final de 2017, após o arbitral que definiu a disputa do Estadual. A Federação Paranaense de Futebol recebeu contatos de clubes que disputam o certame e torcedores, sugerindo diversos nomes, inclusive de Dionísio Filho e Caio Júnior, que já estavam pré-selecionados pela FPF. 

Na primeira quinzena de dezembro, em reunião com a RPC, emissora que detém os direitos de transmissão do Paranaense, o presidente Hélio Pereira Cury confirmou a homenagem aos dois ex-jogadores, que também atuaram na crônica esportiva paranaense, recebendo todo apoio da emissora. 

Taça Dionísio Filho

O saudoso Dionga, como era conhecido o “Sangue Bom”, faleceu em 2015, aos 58 anos. Antônio Dionísio Filho nasceu em Ribeirão Preto, interior de São Paulo, e iniciou a carreira no futebol atuando pelo Botafogo, equipe local, em 1970. Ainda na década de 70, atuou pelo Atlético Mineiro, antes de vir ao futebol paranaense. Em 1978, chegou ao Atlético, passando por Coritiba (onde conquistou os estaduais de 79 e 89) e Pinheiros, antes de retornar ao Rubro-negro em 1982. 

De volta ao Pinheiros, foi campeão estadual em 1984 e 1987, retornando ao Coritiba dois anos depois e encerrando sua carreira no Cascavel, em 1990. O ex- atleta também atuou por Guarani, Itumbiara-GO, Vila Nova-GO, Internacional e Operário-MS. Depois de uma rápida passagem como treinador nas categorias de base do Paraná Clube, Dionísio foi fazer carreira na imprensa, onde se tornou comentarista de rádio. Dionísio Filho passou pelas rádios Eldorado, Clube e Atalaia, antes de ganhar destaque na Banda B.

Dionísio foi também comentarista na RPC TV, parceira da Federação Paranaense de Futebol no Campeonato Estadual, e na TV Bandeirantes, além de colunista no jornal Gazeta do Povo. 

Taça Caio Júnior

O ex-técnico Luiz Carlos Sarolli, popularmente conhecido como Caio Júnior, faleceu aos 51 anos, na tragédia que envolveu a equipe da Chapecoense, em 2016. Querido do público paranaense, e natural de Cascavel, no interior do Estado, Caio Júnior iniciou a carreira esportiva aos 15 anos, atuando pelo gaúcho Grêmio, onde permaneceu até 1987 e conquistou três títulos estaduais. 

Do tricolor gaúcho, o ex-treinador foi atuar em Portugal, onde defendeu a camisa do Vitória de Guimarães, conquistando uma Supertaça na temporada 87/88. Em 1994, Caio Júnior teve nova passagem futebol brasileiro para jogar pelo Internacional, antes de retornar às terras portuguesas e defender o Belenenses. 

Porém, não ficou lá por muito tempo e logo vestiu a camisa de mais um clube gaúcho: o Novo Hamburgo. Em 1997, chegou ao Paraná Clube, encerrando sua carreira dentro de campo no Rio Branco. Depois de um curto período à frente de sua escolinha de futebol, Caio Júnior recebeu convite do Paraná Clube para iniciar a carreira como treinador. Do Tricolor, Caio foi para o Cianorte, em 2005. 

Um ano depois, voltou ao time paranista para levar a equipe à sua primeira Copa Libertadores da América. No final daquela temporada, assinou contrato com o Palmeiras, sendo eleito o melhor técnico da temporada pela CBF. Passou por Goiás e Flamengo, antes de se transferir para o Japão, onde assumiu o Vissel Kobe. Dando sequência à carreira internacional, Caio Júnior foi treinar o Al-Gharafa, do Qatar.

Em 2011, o treinador voltou ao Brasil para assumir o Botafogo e, no ano seguinte, o Grêmio. Porém, em 2012 foi ao Al Jazira, nos Emirados Árabes Unidos, onde conquistou a inédita classificação à segunda fase da Liga dos Campeões da Ásia, além do título da UAE President's Cup.

No mesmo ano, assumiu o Bahia e passou pelo Vitória, conquistando o título estadual pela equipe. Caio Júnior ainda passou pelo Criciúma antes de retornar aos Emirados Árabes para comandar o Al-Shabab. Em junho de 2016, retornou ao Brasil para assumir o comando da Chapecoense. 

Fonte: Assessoria de Imprensa

 

Uma tragédia se abateu na família de uma menina de apenas três anos e cinco meses. Ela morreu na tarde desta terça-feira (16), no Hospital Universitário (HU) de Cascavel, depois de ter sido picada por um escorpião em sua residência no Jardim Carolina em Assis Chateaubriand. Segundo informações, a menina estava no sofá da casa na noite ontem (15), e assistia televisão, quando em determinado momento gritou e o pai foi ver o que tinha acontecido pensando que ela teria se ferido por uma pulseira, mas logo percebeu que era um escorpião. Ele até matou o animal peçonhento. Com fortes dores a garotinha foi encaminhada pelo pai às pressas para o Hospital Beneficente de Assis, mas devido a problemas clínicos graves a vitima foi transferida para o Hospital Universitário de Cascavel, onde ficou à disposição da equipe médica que realizou todos os procedimentos possíveis, mas infelizmente a menina não resistiu e faleceu na tarde de hoje (16).

O corpo está sendo velado na Funerária Bom Samaritano. 

Colaboração: Léo Silva

 

A tradicional compra de material escolar assombra os pais com filhos em idade escolar todo início de ano. Além da lista fornecida pelas escolas, os gastos das famílias ainda incluem a taxa de matrícula, o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

Mas é possível contemplar os pedidos das escolas, a vontade das crianças e ainda economizar? Saiba que sim.

Para dar dicas de como não cair em armadilhas e evitar pedidos abusivos das escolas, o G1 ouviu:

$1·         Igor Marchetti, advogado do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec);

$1·         Ariadne Rolim, de 37 anos, blogueira, bacharel em direito, mãe de três filhos, dois em idade escolar;

$1·         Reinaldo Domingos, educador financeiro do canal "Dinheiro à vista".

Confira 11 dicas:

1 - Faça contas e planeje seu orçamento

Independentemente da forma de pagamento usada na compra do material escolar, à vista ou parcelado, é fundamental entender o valor da quantia que será gasta, segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos. “Agora é um bom momento para fazer uma análise do seu próprio orçamento e ter uma primeira noção. É preciso saber o quanto custa antes de sair comprando.”

Pagar à vista é preferencial até para angariar mais desconto, mas como nem sempre é possível, o importante é planejar o valor da prestação que pode ser assumida para não “corromper” o orçamento, de acordo com Domingos.

2 - Pesquise os preços em pelo menos três lojas

A internet é uma grande fonte de consulta de preços e o tempo, um aliado. A sugestão do educador financeiro é usar a internet como base de pesquisa, mas não deixar de consultar as lojas físicas. É nelas, aliás, que é possível negociar mais descontos, diferente das compras on-line. O ideal é ter pelo menos três orçamentos.

Ele lembra que muitas vezes é vantajoso sair da região onde mora em busca de melhores preços. “É possível encontrar uma diferença de preço de 10% a 50%, se lembrarmos que a poupança paga 5% de rendimento ao ano, esta economia representa muito dinheiro.”

3 - Antecipe as compras

Quem puder antecipar as compras de material escolar para dezembro e aproveitar esta “entressafra” pode ser dar bem, segundo Domingos. Ele lembra que nesta época o foco são os presentes de Natal e ainda é possível encontrar itens escolares em promoção. Na “safra”, ou seja no início do ano, eles costumam ser mais caros. Além disso é possível utilizar parte do décimo terceiro para adquirir estes produtos.

Nem todas as escolas já forneceram as listas do material necessário, porém os pais já sabem que há itens invariáveis como cadernos, lápis, borrachas etc.

4 - Analise a lista fornecida pela escola

A escola pode fornecer a lista de materiais que será usada ao longo do ano, mas não pode exigir que ela seja comprada na própria unidade. O consumidor tem o direito de comprar onde desejar. Também fica proibida a exigência de qualquer produto de uma determinada marca. Segundo Igor Marchetti, advogado do Idec, isto confira venda casada o que é proibido por lei e fere o direito do consumidor.

Marchetti reforça que é preciso avaliar se a lista traz itens para o uso coletivo da escola, o que é proibido e deve ser questionado.

“A lista de materiais não pode ter itens de uso coletivo como papel higiênico para o banheiro. Produto de higiene só pode ser pedido se vai ser utilizado pela criança. Produtos de limpeza não podem estar na lista porque são usados para a manutenção da escola" - Igor Marchetti, advogado do Idec

Outro ponto que deve ser motivo de alerta é a quantidade dos itens solicitados como papel sulfite, cartão e EVA, por exemplo, que não pode ultrapassar o que deve ser usado no ano. É comum aparecerem quantidades exorbitantes, como mil folhas de papel sulfite por criança. “A escola pode definir um parâmetro, acaba valendo o bom senso, mas os pais podem pedir esclarecimento para justificar esta quantia”, diz o advogado.

5 - Compre os livros didáticos direto nas editoras

A bacharel em direito Ariadne Rolim mora em Petrolina (PE) e faz de tudo para economizar na compra dos livros didáticos dos filhos. Como os dois mais velhos de oito e quatro anos estão no primeiro ciclo do ensino fundamental e na educação infantil, a quantidade de livros didáticos é muito grande. Além disso, para ela, comprá-los usados é quase impossível porque as crianças riscam as páginas e os professores carimbam e fazem anotações.

A dica dela é procurar as editoras das obras pesquisando na internet, pois às vezes elas vendem direto para o consumidor o que diminui muito os custos. Quando não é possível, Ariadne pesquisa nas lojas on-line e compara os preços. Na hora de fechar a compra, é fundamental avaliar se o valor do frete compensa. Neste ano, a pernambucana comprou dez livros e conseguiu economizar pelo menos R$ 500 reais dessa forma.

6 - Troque ou tente adquirir itens usados

Na hora de comprar os livros paradidáticos, como os de leitura, por exemplo, Ariadne costuma acionar as redes sociais para vender e comprar itens usados. Ela fotografa os livros dos filhos que estão em bom estado que não serão mais usados e anuncia nas redes. Também aproveita para adquirir os que eles vão precisar utilizar no próximo ano letivo.

Ela criou um grupo de facebook para troca e venda em Petrolina (PE). Segundo Ariadne, nesta rede um livro novo que custa R$ 50 pode ser encontrado por R$ 15.

“A ideia não é lucrar, é se desfazer de algo que está entulhado em casa e comprar o que precisar. Os livros paradidáticos não têm sinal de uso, porque as crianças não riscam e não há avarias mais gritantes. Dá para ser usado por vários anos seguidos" - Ariadne Rolim, mãe de três

O advogado Igor Marchetti lembra que a escola não pode exigir que o aluno use um livro novo. Entretanto pode indicar os anos das edições aceitáveis justificando que antes desse período pode haver uma desatualização.

7 - Fuja dos produtos licenciados e itens 'fofinhos' de papelaria

Esta é uma das armadilhas que encarecem a lista, por isso levar as crianças na hora da compra é completamente desaconselhado. As papelarias estão recheadas de itens com temas de todos os personagens que enlouquecem a criançada.

“A grande sacada é não se render aos apelos de coisas fofinhas. Eu optei pelo basicão que são os cadernos pautados de capa dura. Enquanto um caderno simples custa R$ 6, o de personagem vai custar R$ 20”, conta Ariadne. Ela fez a arte das etiquetas no computador e imprimiu em uma gráfica rápida para identificar os materiais. “Fica barato porque a gráfica cobra por folha e não por adesivo.”

Para agradar os filhos, a pernambucana comprou um caderno sem pauta com a capa de personagem para que eles pudessem desenhar em casa.

8 - Comprar em maior quantidade pode gerar mais desconto

Para tentar baratear a compra neste ano, Ariadne comprou material em grande quantidade. Calculou o gasto para o ano todo de itens como borracha e lapiseira, por exemplo, que estragam e se perdem. “Às vezes sobra, e guardo pro ano seguinte. Pago à vista e peço mais desconto. 10% ou 20% parece pouco, mas quando você vê no final no valor total faz diferença.”

9 - Deixe itens mais caros para o meio do ano

Itens mais caros como as mochilas por exemplo que não podem ser reaproveitados de um ano para outro, podem ser comprados mais para frente no segundo semestre do ano. Ariadne costuma acompanhar as promoções que aparecem depois do início do ano letivo. Chegou a comprar kits com mochilas e lancheiras por metade do preço.

10 - Proponha iniciativas na escola

Algumas escolas como o Colégio Albert Sabin, em São Paulo, têm iniciativas de troca e venda entre os pais dos alunos. Lá, pelo terceiro ano consecutivo, as famílias vão se encontrar para fazer o escambo no projeto chamado Gira Gira.

As famílias doam livros didádicos, paradidáticos e uniformes em bom estado e recebem fichas que podem ser trocadas no dia do eventos pelos mesmos itens (uniforme por uniforme e livro por livro). As pessoas que não possuem as fichas podem comprar os livros e uniformes no dia do evento a baixo custo.

11 - Faça uma poupança durante o ano

Pagar à vista rende cerca de 10% de desconto, mas é preciso haver uma programação do orçamento para este dinheiro não faça falta depois. Início de ano é marcado por uma série de gastos como matrícula de escola, IPTU e IPVA, segundo o educador Domingos.

Ariadne costuma fazer uma poupança ao longo do ano destinada ao gasto do material de escolar. Poupa pelo menos um pouco todo mês. “Se eu não faço assim, desde o começo do ano, não consigo pagar à vista e preciso usar o cartão de crédito e perder os descontos.”

Fonte: G1 globo

A safra de grãos do próximo ano deverá ser 6,8% menor do que a de 2017, de acordo com as previsões do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgadas nesta quarta-feira (11). A produção de cereais, leguminosas e oleaginosas foi estimada em 224,3 milhões de toneladas. É o terceiro prognóstico divulgado pelo órgão.

A queda deve-se, principalmente, às menores produções esperadas para o milho (15 milhões de toneladas) e para a soja (2,7 milhões de toneladas).

Porém, em relação à última previsão divulgada, houve um acréscimo de 4,8 milhões de toneladas (2,2%), em razão das boas condições climáticas observadas em dezembro, que impactaram positivamente a produção de soja (3,8%), milho 1ª safra (3,1%) e arroz (2,1%).

Produtos cuja produção deve cair em 2018

  • Arroz em casca: -5,9%
  • Milho 1ª safra: -14,4%
  • Soja em grão: -2,4%

Produtos cuja produção deve subir em 2018

  • Algodão herbáceo em caroço: 4,7%
  • Feijão 1ª safra: 5%

Safra de 2017

Já a estimativa de dezembro para a safra de 2017 totalizou 240,6 milhões de toneladas de grãos, alta de 29,5% (ou 54,8 milhões de toneladas a mais) em relação a 2016 (185,8 milhões de toneladas).

A área a ser colhida (61,2 milhões de hectares) cresceu 7,2% frente a 2016 (57,1 milhões de hectares). Ante o número divulgado em novembro (241,9 milhões de toneladas), a estimativa da produção diminuiu 0,5%.

O arroz, o milho e a soja foram os três principais produtos da safra de 2017. Somados, eles representaram 94,4% da estimativa da produção e responderam por 87,9% da área a ser colhida.

Em relação a 2016, houve aumento de 2,2% na área da soja, de 19,3% na área do milho e de 4,3% na área de arroz. Na produção, ocorreram acréscimos de 19,4% para a soja, 55,2% para o milho e 17,2% para o arroz.

 

Fonte: G1 globo

Maringá, no norte do Paraná, e Foz do Iguaçu, no oeste do estado, somam 83% dos novos casos de dengue no Paraná em uma semana. Os dados constam no boletim da dengue divulgado nesta quarta-feira (10) pela Secretaria da Saúde do Estado do Paraná (Sesa).

Conforme o relatório, o número de casos de dengue no estado entre os dias 2 e 10 de janeiro de 2018 subiram de 340 para 371. Dessas 31 novas confirmações, 14 foram em Maringá e 12 em Foz do Iguaçu.

De acordo com a secretaria, os municípios com maior número de casos confirmados desde agosto de 2017 – início do novo período de acompanhamento da dengue – são Maringá (141), Foz do Iguaçu (43) e Cambé (19), também no norte do Paraná.

Os municípios com maior número de casos suspeitos notificados são Londrina (1.524), no norte do estado, Maringá (1.261) e Foz do Iguaçu (971).

 

Fonte: G1 Paraná

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, publicou nesta quarta-feira (10) carta aberta encaminhada ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, na qual explica que a inflação ficou abaixo do piso de 3% do sistema de metas em 2017 por conta da deflação de preços de alimentação no domicílio.

"Em 2017, a reversão da inflação nos preços dos alimentos no domicílio foi maior do que o previsto, tanto pelo Copom quanto pelos analistas do mercado", informou o presidente do BC, no documento. Essa foi a primeira vez que a inflação ficou abaixo do piso do sistema de metas.

Em 2017 a Alimentação e Bebidas tiveram queda de  -1,87. Fonte: IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou nesta quarta-feira (10) que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, fechou 2017 em 2,95%. Com isso, a inflação ficou abaixo do piso de 3% do sistema brasileiro de metas de inflação.

$11.       O Banco Central tem que perseguir uma meta para o resultado da inflação que é definida todos os anos pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

$12.       Para o ano passado, havia uma meta central de 4,5%.

$13.       Entretanto, a regra prevê um intervalo de tolerância, de 1,5 ponto percentual, tanto para cima quanto para baixo.

$14.       Isso significa que a meta seria cumprida pelo BC se o IPCA ficasse entre 3% e 6%.

De acordo com a autoridade monetária, a inflação do subgrupo alimentação no domicílio encerrou 2017 com deflação (retração de preços) de 4,85%, a maior da série histórica do IPCA, que começa em 1989, e a primeira nesses itens desde 2006.

"Em vista desse comportamento excepcional dos preços dos alimentos no domicílio, decorrentes de choques fora do alcance da política monetária (como a oferta recorde de produtos agrícolas), o Banco Central do Brasil seguiu os bons princípios no gerenciamento da política monetária e não reagiu ao impacto primário do choque", informou o BC.

Segundo a instituição, "não cabe inflacionar os preços da economia sobre os quais a política monetária tem mais controle para compensar choques nos preços dos alimentos".

"A política monetária deve combater o impacto dos choques noutros preços da economia (os chamados efeitos secundários) de modo a buscar a convergência da inflação para a meta", acrescentou.

O Banco Central informou ainda que tem "calibrado" (nivelado) a taxa básica de juros da economia, atualmente na mínima histórica de 7% ao ano, e acrescentou que continuará a fazê-lo "com vistas ao cumprimento das metas para a inflação estabelecidas pelo CMN".

"A inflação já se encontra em trajetória em direção à meta em 2018. No acumulado em doze meses, a inflação ao final de 2017 aumentou 0,49 pontos percentuais em relação ao mínimo de 2,46% observado em agosto do mesmo ano", informou, lembrando que a sua última estimativa para o IPCA deste ano é de 4,2%, valor próximo à meta central de 4,5% fixada pelo Conselho Monetário Nacional.

Fonte: G1 globo

Policia Militar de Palonitna recuperou uma camionete roubada em Assis Chateaubrinad. A ação aconteceu momentos após o crime, quando os policiais de Palotina, equipe do Soldado Frizzon e Soldado L. Santos, receberem a informação sobre um assalto ocorrido em uma residência em Assis Chateaubriand. As informações davam conta de que indivíduos armados adentraram a casa, renderam os moradores, subtraíram o veículo e fugiram na sequencia levando com eles três pessoas como reféns. De posse das informações, os militares de Palotina iniciaram as diligências pelo município e receberam uma denúncia sobre uma caminhonete em atitude suspeita, a qual trafegava na saída da cidade sentido Terra Roxa. De imediato os PMs seguiram até o local, nas proximidades do Cemitério Municipal, e lograram êxito em localizar o veículo e prender um dos envolvidos. O assaltante foi encaminhado até o pelotão da Polícia Militar para o levantamento dos dados, os PMs descobriram então, que os reféns estavam em cárcere privado em meio a uma mata nas proximidades de Assis. Rapidamente os militares repassaram a informação a equipe policial de Assis que localizaram as vítimas em meio a uma plantação de soja e as libertaram. Com isso, o preso foi encaminhado a Delegacia local para os procedimentos cabíveis e  caminhonete fica agora a disposição do proprietário. 

Fonte: Portal Palotina

A área rural de Toledo, no oeste do Paraná, foi atingida na tarde de sábado (6) por um tornado, garantem especialistas do Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar) e da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste).

De acordo com a professora de geografia Karin Hornes, pelo vídeo feito pela moradora Daiana Andreia Muller, é possível identificar algumas características do fenômeno, como o som, que lembra uma cachoeira, a altura que o funil de vento atingiu e o trajeto que percorreu.

O Simepar classificou o tornado como sendo da categoria F1, o mais fraco, com ventos de até 100 km/h. Ainda no domingo (7), o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) Hamilton Nunes, que também analisou as imagens, disse que inicialmente se tratava de um redemoinho, mas que não descartava a possibilidade de ser um tornado, o que deveria ser confirmado com uma análise mais aprofundada e uma perícia no local.

“Tanto o tornado como o redemoinho são fenômenos que se caracterizam pelo ar que gira ciclicamente em forma de cone. Porém, o tornado é um redemoinho com altura e velocidade maiores e com um potencial maior de destruição, ligando a superfície e as nuvens”, observa a professora. De acordo com ela, imagens de satélite mostram o encontro de uma massa de ar quente vinda do noroeste e de uma massa de ar frio do sudoeste sobre a região no momento em que o fenômeno foi registrado. Os ventos, destaca, chegaram a 179 km/h, o que coloca o tornado na categoria EF2 da escala Fujita melhorada.

Pela proximidade com a Planície do Chaco - um dos fatores responsáveis pelo aquecimento do ar - os municípios das regiões oeste, sudoeste e noroeste do Paraná são os mais propícios a serem atingidos por tornados no estado, explica a professora.

“Entre 2005 e 2015, temos registrados em vídeo 13 tornados. Isso sem falar naqueles apenas testemunhados pelos moradores.”

Cuidados

Por conta do grande potencial de destruição, os tornados são bastante perigosos. A professora dá algumas dicas de proteção:

$1·        banheiros são os locais mais seguros para se abrigar

$1·        evite procurar abrigo em ginásios e galpões por causa dos riscos de desabamento

$1·        na rua, o ideal é ficar dentro dos veículos

$1·        jamais siga na direção dos tornados

Destruição

A força do vento, que durou cerca de cinco minutos, derrubou um barracão onde estavam alojados 500 leitões. Os moradores, com ajuda de vizinhos, conseguiram tirar os animais. Apenas dois morreram.

Um galpão onde ficavam as máquinas agrícolas também foi destruído. Mesmo com a força do vento, a casa onde a família de agricultores morava não foi atingida.

Segundo a Prefeitura e a Defesa Civil de Toledo, a destruição foi localizada e se concentrou apenas na região da Linha Flórida. Ninguém ficou ferido.

Fonte: G1 Paraná

Pagina 1 de 5