Gilmar Bosquette

Gilmar Bosquette

Quinta, 13 Fevereiro 2020 10:31

13 de fevereiro: Dia Mundial do Rádio

Hoje dia 13 de fevereiro comemora-se o Dia Mundial do Rádio. A data foi escolhida em homenagem à primeira emissão de um programa da United Nations Radio (Rádio das Nações Unidas), em 1946. A transmissão do programa foi em simultâneo para um grupo de seis países. A data foi criada e oficializada em 2011, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). O primeiro Dia Mundial do Rádio foi celebrado apenas em 2012.

Surgimento do Rádio:

O Rádio surgiu em 1896 quando o físico italiano Guglielmo Marconi realizava pesquisas sobre indução eletromagnéticas e ondas eletromagnéticas. O objetivo era criar um aparelho para receber sinais através do espaço sem usar fios, para substituir o telégrafo elétrico que dependia de longos cabeamentos. A voz humana foi transmitida pela primeira vez na véspera de Natal em 1906, pelo engenheiro canadense Reginald Fesseden, no "Concerto de Natal”. As primeiras emissoras de Rádio surgiram em 1920, dois anos depois em 1922 já somavam 300 emissoras. No Brasil o Rádio nasceu oficialmente em 1922, quando se comemorava o centenário da independência do País. Na ocasião foi transmitida a fala do presidente Epitácio Pessoa quando inaugurava a radiotelefonia brasileira. Roquete Pinto, um médico que realizava pesquisas com radioeletricidade para fins fisiológicos ficou entusiasmado com as transmissões e conseguiu convencer a Academia Brasileira de Ciências a patrocinar a instalação da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, depois batizada de PRA-2. Os primeiros receptores (rádios) foram apelidados de "galenas" eram pequenos artesanais de sulfeto de chumbo ao natural com uma antena de arame fino que captavam vozes e sons vindos pelo ar. A regulamentação da Radiofusão no Brasil se deu em 27 de maio de 1931 pelo presidente Getúlio Vargas. Em 4 de novembro de 1989, José Costa fundou a Rádio Vale Verde FM em Jesuítas, na frequência 95,5 com 1 mil watts de potência, hoje com 50 mil e na frequência 96,5.

Na manhã desta sexta-feira, 31, a Cooperativa realizou a AGO (Assembleia Geral Ordinária) e apresentou o balanço referente ao exercício 2019, cujo faturamento foi R$ 4,4 bilhões, 14% maior que o ano anterior. Participaram da assembleia mais de 700 pessoas.

Também estavam na pauta da AGO os pareceres da auditoria externa e Conselho Fiscal, o demonstrativo das sobras apuradas do exercício, o plano anual das atividades, aquisição da unidade de recebimento de grãos na região Sudoeste, eleição e posse dos membros do Conselho Fiscal, a contratação de recursos financeiros, assuntos referentes à Frimesa, Cotriguaçu, Unitá e Coocentral, e também outros contextos gerais.

“Os ótimos resultados obtidos em 2019 foram fundamentais para o crescimento integrado do nosso quadro social, que hoje é de 6 mil cooperados, e também dos 10 mil colaboradores, que são responsáveis pela performance dos nossos processos e serviços prestados”, explica o diretor presidente Valter Pitol.

Pitol também destacou a evolução de todas as atividades de produção animal, principalmente da avicultura que registrou produção de 420,9 mil toneladas de carne, entre as cooperativas Copacol e Central Unitá. Parte desta produção, 237,3 mil toneladas, foram exportadas para mais de 60 países.

Durante a assembleia, foram apresentados os investimentos de R$ 330 milhões na segunda linha da Unitá, R$ 20 milhões na ampliação da Unidade de recebimento e armazenagem de grãos em Goioerê, R$ 6,4 milhões na modernização nos supermercados de Nova Aurora e Goioerê, R$ 27,2 milhões na aquisição e reestruturação da Filial de Vendas de Curitiba, R$ 32 milhões na ampliação do Incubatório de Goioerê, entre outros investimentos em melhorias dos processos.

Entre as diversas autoridades presentes, o presidente da Ocepar, José Roberto Ricken, também participou da AGO e durante seu pronunciamento destacou a grandeza e importância da Copacol dentro do cooperativismo paranaense.

“A Copacol é um exemplo dentro do cooperativismo e um modelo que tem dado certo, pois sempre busca dar oportunidade econômica aos seus produtores através das atividades, de agregar valor e trazer mais renda, e atender a demanda por alimentos. O cooperativismo está inserido em tudo isso”, acrescenta Ricken.

Conselho Fiscal
Na assembleia também foram eleitos os novos conselheiros fiscais da Cooperativa, que irão atua neste ano. São eles, Arlindo Paulus, Alex Bini Ferreira, Elder Candido Gabriel, Conselho Fiscal Suplentes, Anderson Zuk, Martin Steimback e Waldemar De Ré.

Sobras e Complementações
Neste ano, os cooperados irão receber a segunda parte das sobras e complementações, de acordo com as movimentações e a produção entregues durante o ano de 2019, totalizando R$ 95.297.033,00.
- Complementação de aves/ovos (referentes a junho) R$ 14.057.179,00.
- Complementação de suínos (referente a dezembro) R$ 563.800,00.
- Complementação de aves/ovos (referentes a dezembro) R$ 22.019.730,00.
- Distribuição das sobras 2019 R$ 52.947.036,00.
- Juros 6% sobre o Capital R$ 5.709.288,00.

  Da Assessoria.

 

Sexta, 31 Janeiro 2020 13:12

AERP- Empossa Nova Diretoria

 

A posse da nova diretoria e do novo conselho fiscal da Aerp (Associação das Emissoras de Radiodifusão do Paraná) foi realizada hoje dia 31 de janeiro, sexta-feira, na FAE Business School, em Curitiba.
A cerimônia contou com a presença do vice-governador do Paraná, Darci Piana, e do vice-prefeito de Curitiba, Eduardo Pimentel Slaviero, além de representantes de diversas entidades do setor produtivo, do jurídico, legislativo, e de associações e sindicatos.
À frente da Aerp na gestão 2020/2022 estará o diretor da Rádio Banda B, Michel Micheleto. O atual presidente, Alexandre Barros, permaneceu à frente da entidade por duas gestões (2016/2018 e 2018/2020). A partir deste ano, ele passa a ser diretor Institucional da Associação.
O grande desafio segundo o novo presidente é realizar cada vez mais o acolhimento do radiodifusor com muito diálogo para superar os obstáculos, com muita atenção às emissoras do interior do Estado e às TVs. Michel Micheleto também destaca que sua gestão terá como foco a paixão pelo rádio. “Quero apresentar o rádio como um elemento transformador da sociedade, colocando-o a serviço da população, contribuindo com um mundo melhor. Um rádio respeitoso, cidadão e de qualidade”, destaca.
Fundada em 1975, a Associação reúne hoje mais de 320 emissoras de rádio e TV no estado. Sua atuação tem como objetivo oferecer o apoio necessário ao radiodifusor paranaense e estimular a união entre o meio para fortalecimento sistemático do setor.
Confira como ficou a diretoria executiva e o conselho fiscal da Aerp:
Presidente: Michel Micheleto (Rádio Banda B)
Vice-Presidente: Carlos Henrique Agustini (FM Verde Vale)
Diretor Administrativo: Walber Souza Guimarães Junior (Cianorte FM)
Diretor Financeiro: Rogério Afonso (Rádio Transamérica)
Diretor Comercial: Marcelo Garcia Requena (Rádio FM Independência Ltda)
Diretor Jurídico: João Antonio Fonseca Tavares dos Santos (Rádio 98 FM)
Diretor Institucional: Carlos Alexandre Rocha Barros (GMC - Grupo Maringá de Comunicação)
Diretor Técnico: Roberto Lang (Rede Vividense de Comunicação Ltda)
Diretor de Comunicação: Luiz Antonio Benzoni Benite (Rádio Massa FM)
Diretor de Televisão: Mariano Lemanski (GRPCom)
Diretor Regional Capital-Litoral: Leonardo Petrelli (Rádio FM Independência)
Suplente: Augusto S. Gonçalves Oliveira (Rádio Caiobá FM)
Diretor Regional Norte: Ricardo Spinosa (Rádio Paiquerê FM)
Suplente: Andre Gustavo de Souza Faria (Rádio Paiquerê FM)
Diretor Regional Noroeste: Ilidio Coelho Sobrinho (Rádio FM Ilustrada)
Suplente: Clermont D’avila Sobrinho (Rádio Águas Claras FM)
Diretor Regional Oeste: Cristiano Krames (Rádio Graúna de Palotina)
Suplente: Moacir José Hanzen (Rádio Independência de Medianeira)
Diretor Regional Centro-Sul: Ivaldir Perachi (Rádio Líder Sul FM)
Suplente: Melanie Lisboa Triches (Rádio Vale do Mel)
Diretor Regional Sudoeste: Adir Seleski (Rádio Cristal)
Suplente: Giovanni Pagnocelli (Rádio Vizinhança FM)
Conselho Fiscal: Flavio Guellere Junior (Rádio Itaipu Ltda); Alexandre Marques Guimarães (Rádio FM Vale do Sol); João Garcia (Sociedade de Radiodifusão Padre Eduardo Ltda); Renato Silva (Rádio Colmeia Ltda); Eloi Bonkoski (Rádio Musical FM); Helena Miyoko Miura da Costa (Rádio Vale Verde Ltda)

Assessoria de Comunicação Aerp

 

Alunos da 8ª série da Escola Nazaré de Jesuítas estiveram visitando na manhã de hoje (19), o Museu do Rádio José Costa e o Estúdio 1 da Vale Verde FM. Os alunos tiveram a oportunidade de conhecer  no Museu, os equipamentos antigos que eram usados no passado pelas emissoras de rádio no seu dia a dia. Depois conheceram o estúdio 1 da Vale Verde que dispõe da mais alta tecnologia atual. A professora Vanessa Ranucci esteve acompanhando os alunos na visita. O colaboradores Gilmar Bosquette e Valcir dos Santos tiraram todas as duvidas e explicaram a função de cada equipamento.

A Copel renovou a parceria que mantém há 30 anos com a Associação das Emissoras de Radiodifusão do Paraná (Aerp) para a veiculação de mensagens de utilidade pública sobre fornecimento, geração e transmissão de energia. O convênio foi assinado nesta terça-feira (30), no Palácio Iguaçu, pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior, o presidente da Copel, Daniel Pimentel Slaviero; o presidente da Aerp, Alexandre Barros, e o secretário da Comunicação Social e da Cultura, Hudson José.

A acordo anual prevê 11 inserções diárias, de segunda a sábado, em cada uma das 300 emissoras associadas à Aerp, o que dá cerca de 100 mil divulgações do por mês e pouco mais de um milhão por ano. “É muito difícil encontrar quem não ouve rádio. Essa parceria não é para falar bem do governador ou do governo, mas falar do Paraná. A divulgação ajuda a fazer o nosso Estado maior”, disse Ratinho Junior. “A relação rádio e Copel é muito importante para a sociedade, para informar as pessoas de forma rápida e gratuita”, afirmou.

Com as vinculações, a Copel cumpre a resolução da Aneel que determina que as concessionárias de energia realizem campanhas sobre o uso seguro de energia elétrica. O presidente da Copel, Daniel Pimentel Slaviero lembra que os boletins informativos auxiliam também na formação cidadã dos moradores de todas as regiões do Estado. “O convênio é importante porque a Copel pode dar informações de utilidade pública, informar sobre desligamentos, de riscos de queimadas e também do plano de investimento”, destacou o presidente da companhia.

SEGURANÇA – Os boletins têm, ainda, informações sobre o bom uso da energia e os direitos do consumidor, proporcionando maior autonomia na gestão do serviço. Além disso, contribui para prevenção de acidentes com a energia elétrica. A segurança é prioridade da Copel e, por isso, ocupa aproximadamente a metade dos espaços de veiculação previstos pelo convênio.

Como reflexo, nos últimos 20 anos as ocorrências de acidentes com choque elétrico no Estado reduziram 74% nas áreas de concessão da Copel, passando de 139 em 1997 para 35 no ano passado.

INCENTIVADOR – Presidente da Aerp, Alexandre Barros destaca que a parceria com o Governo do Estado é preponderante para o dia a dia das rádios, especialmente no interior do Estado. “O convênio é um dos principais incentivadores das emissoras. Para as rádios do Interior é fundamental. É importante também para a Copel, porque não há outra maneira de a companhia chegar a 100% da população”, completou.

PRESENÇAS – Participaram também da solenidade o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto; o vice-prefeito de Curitiba, Eduardo Pimentel; o prefeito de Cruzeiro do Oeste, Beto Sobrinho; o prefeito de Palotina, Jucenir Stentzler; o líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Hussein Bakri; os deputados estaduais Elio Rusch, Emerson Bacil e Nelson Luersen; além de diretores da Copel e da Aerp.

A  Rádio Vale Verde FM esteve presente na cerimônia, representada pela diretora geral Helena Miura da Costa, que faz parte da diretoria da AERP- Associação das Emissoras de Radiodifusão do Paraná e do SERT - Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão do Paraná.

FONTE: Agência Estadual de Notícias

 

Alunos catequizandos do 5º ano da Paróquia Santo Inácio de Loyola de Jesuítas, estiveram visitando no último sábado(13), o Museu do Rádio José Costa e o moderno estúdio 1 da Radio Vale Verde FM em Jesuítas. Os alunos estavam acompanhados das professoras Márcia e Yasmin, e alguns pais do alunos.

Irmã Dulce será canonizada no dia 13 de outubro de 2019, em uma celebração presidida pelo Papa Francisco, no Vaticano, em Roma. Ela será a primeira mulher nascida no Brasil a se tornar santa.A informação foi divulgada nesta manhã de segunda-feira,1º, em uma coletiva de imprensa realizada simultaneamente em Roma, no Vaticano, e no Santuário Bem-Aventurada Dulce dos Pobres, no Largo de Roma, em Salvador. Além de Irmã Dulce, no mesmo dia serão canonizados outros quatro santos, segundo o Vaticano. 

O arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, que participou do anúncio da canonização em Salvador,  detalhou que a beata levará o nome santo de Santa Dulce dos Pobres e seu dia será celebrado sempre no dia 13 de agosto. O Vaticano anunciou a canonização de Irmã Dulce em maio deste ano, quando um segundo milagre atribuído à ela, também conhecida como “O Anjo bom da Bahia”, foi reconhecido por meio de decreto.

O segundo milagre de Irmã Dulce reconhecido pelo Vaticano foi a cura da cegueira de um homem, que morava na Bahia. Depois de 14 anos cego, ele pediu à Irmã Dulce para interceder por ele, por conta de uma conjuntivite, pouco antes de dormir. Quando acordou, no dia seguinte, ele havia melhorado da doença e voltado a enxergar, segundo a Arquidiocese de Salvador. O milagre intriga médicos, pois, mesmo após voltar a enxergar, os exames apontam lesões nos olhos que deveriam impedir que ele tivesse o sentido.

Além desses dois milagres reconhecidos, mais de 10 mil outros relatos feitos por fiéis do mundo inteiro são armazenados pelas Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), em Salvador. Há depoimentos de cura de câncer, superação de vício em drogas, conquista de emprego, solução de dívidas e problemas familiares, sobrevivência a acidentes graves.

A canonização de Irmã Dulce será a terceira mais rápida da história (27 anos após seu falecimento), atrás apenas da santificação de Madre Teresa de Calcutá (19 anos após o falecimento da religiosa) e do Papa João Paulo II (9 anos após sua morte).

Três graças alcançadas por devotos, após orações a Irmã Dulce, estavam sendo analisadas pelo Vaticano, com vista no processo de canonização da religiosa. Esses três casos foram enviados ao Vaticano pelas Obras Sociais Irmã Dulce (OSID), em 2014, após análise de profissionais da própria instituição.

O primeiro milagre foi reconhecido em outubro de 2010, quando Irmã Dulce foi beatificada. Depois disso, iniciou-se o processo para buscar a canonização, quando a pessoa passa a ser considerada santa pela Igreja Católica. O Vaticano tem quatro exigências quanto à veracidade da graça, até ser considerada milagre: ser preternatural (a ciência não consegue explicar), instantâneo (acontecer imediatamente após a oração), duradouro e perfeito.

Frei Galvão, conhecido pelas pílulas milagrosas que, segundo a fé católica, têm poder de cura e que nasceu em 1739, em Guaratinguetá, no interior de São Paulo, foi o primeiro santo nascido no Brasil a ser canonizado, em 11 de maio de 2007, pelo então Papa Bento XVI.

Madre Paulina, que morava em Santa Catarina, também foi canonizada e ficou conhecida como a primeira santa do Brasil. Ela, no entanto, nasceu na Itália e só veio morar no país com a família aos 10 anos. Com isso, Irmã Dulce se tornará a primeira santa nascida no Brasil.

História e legado
Irmã Dulce, cujo nome de batismo era Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, é recordada por sua obras de caridade e de assistência aos pobres e necessitados. Religiosa da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, a beata nasceu em Salvador, em 26 de maio de 1914.

Desde cedo manifestou interesse pela vida religiosa. Aos 13 anos de idade, passou a acolher mendigos e doentes em sua casa, transformando a residência da família – na Rua da Independência, 61, no bairro de Nazaré - em um centro de atendimento. A casa ficou conhecida como "A Portaria de São Francisco", por conta do grande número de carentes que se aglomeravam a sua porta.

Em 1933, a jovem ingressou na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, no Convento de Nossa Senhora do Carmo, cidade de São Cristóvão, em Sergipe. No mesmo ano, recebeu o hábito e adotou o nome de Irmã Dulce, em homenagem à sua mãe, que se chamava Dulce Maria de Souza Brito Lopes Pontes e morreu quando a freira tinha 7 anos.

No ano de 1935, já de volta a Salvador, dava assistência à comunidade pobre de Alagados, conjunto de palafitas que se consolidara na parte interna do bairro de Itapagipe. Nessa mesma época, começa a atender também os operários que eram numerosos naquele bairro, criando um posto médico e fundando, em 1936, a União Operária São Francisco – primeira organização operária católica do estado, que depois deu origem ao Círculo Operário da Bahia.

Em 1939, Irmã Dulce invadiu cinco casas na localidade da Ilha do Rato, na capital baiana, para abrigar doentes que recolhia nas ruas de Salvador. Expulsa do lugar, ela peregrinou durante uma década, levando os seus doentes por vários locais da cidade.

Por fim, em 1949, Irmã Dulce ocupou um galinheiro ao lado do Convento Santo Antônio, após autorização da sua superiora, com os primeiros 70 doentes. A iniciativa deu origem à história propagada há décadas pelo povo baiano de que a freira construiu o maior hospital da Bahia a partir de um simples galinheiro.

Já em 1959, é instalada oficialmente a Associação Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), e no ano seguinte é inaugurado o Albergue Santo Antônio.

A Osid atualmente é um dos maiores complexos de saúde com atendimento 100% gratuito do Brasil, com 3,5 milhões de atendimentos ambulatoriais por ano a usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), entre idosos, pessoas com deficiência e com deformidades craniofaciais, pacientes sociais, crianças e adolescentes em situação de risco social,dependentes de substâncias psicoativas e pessoas em situação de rua.

Segundo a instituição, nos últimos 25 anos a entidade contabiliza 60 milhões de atendimentos ambulatoriais e mais de 280 mil cirurgias realizadas, o que dá uma média de aproximadamente 30 cirurgias por dia.

Irmã Dulce faleceu no dia 13 de março de 1992, aos 77 anos, no Convento Santo Antônio, em Salvador.

Fonte: Bem Paraná

 

O goleiro André Luiz, do Toledo, sagrou-se o craque do Campeonato Paranaense de 2019. Em enquete promovida pelo GloboEsporte.com, o camisa 1 recebeu mais de 12 mil votos e superou nomes como Marquinho (do Athletico), Rodrigão (do Coritiba), Luquinha (do Londrina), Chicão (do Operário-PR) e Jenison (do Paraná).

O goleiro do Toledo integrou também a seleção do Campeonato Paranaense, eleita por 42 jornalistas esportivos. O jogador de 22 anos recebeu 30 votos e superou Muralha e Léo.

André Luiz ajudou o Toledo a conquistar a Taça Sicupira, o primeiro turno do Paranaense, e a chegar na decisão estadual. O goleiro brilhou, mas não evitou a derrota para o Athletico nos pênaltis.

André Luiz, inclusive, já acertou com o Operário-PR para a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro. Ele terá o desafio de substituir Simão, que interessa a Fluminense e Fortaleza.

Confira o resultado da enquete

 
Fonte - GLOBO ESPORTES -PR
 — Foto: GloboEsporte.com

 

Foi realizado na manhã de hoje (27), no salão social do Sindicato Patronal de Assis Chateaubriand, o Preimeiro Encontro de Líderes Rurais do Oeste do Paraná. O evento promovido pela FAEP - Federação da Agricultura do Estado do Paraná com apoio do Senar, Sebrae e núcleo regional dos sindicatos reuniu aproximadamente 300 pessoas de toda a região Oeste do Paraná. Na programação várias palestras com temas ligados a agricultara e discusão de problemas relacionados a classe produtora. O evento foi encerrado com um almoço nas dependências da ASSEMA.

Pagina 1 de 6